Pare de Perder Dinheiro: 6 Segredos de Reformas e Construções

Pare de Perder Dinheiro: 6 Segredos de Reformas e Construções

Devido a alta competitividade do mercado de Construção Civil no Brasil, um fator que venha agregar qualidade e reduzir custos de uma obra, tem grande relevância.

Pare de perder dinheiro! Enumeramos 6 Segredos de Reformas e Construções que vão fazer você banir o temido desperdício de sua obra, seja você construtor ou aventureiro de primeira viagem, acompanhe essas orientações que separamos especialmente para você.

O que você vai ler nesse artigo em 9 minutos:
  1. Quem são os profissionais capacitados para planejar, projetar e executar obras
  2. Para que serve um projeto e o que sua ausência pode ocasionar
  3. Como fazer compras de forma inteligente
  4. O papel da inovação na Engenharia Civil
  5. A interferência do cronograma nos custos da obra
  6. Como montar uma equipe matadora

 

1.  Busque profissionais capacitados

Busque sempre profissionais capacitados para desenvolver e planejar antes de começar toda a quebradeira. A legislação brasileira determina que toda construção ou reforma deve ser acompanhada por um Responsável Técnico (Engenheiro Civil ou Arquiteto). A ausência desse profissional pode acarretar em multas e embargo de suas atividades.

Engenheiros Civis e Arquitetos são os profissionais capacitados para o planejamento e acompanhamento da execução. Entretanto, o mercado informal ainda assume essa responsabilidade e o contratante é o principal afetado pela falta de profissionalismo.

Principais problemas provenientes do mercado informal da construção no Brasil:
  • Inexistência de planejamento
  • Ausência de Projetos
  • Atrasos no cronograma
  • Retrabalhos
  • Prejuízos financeiros
  • Insegurança

Nesses casos, o barato sai caro.

É o que evidencia os depoimentos de entrevistados, na pesquisa qualitativa:

Fonte: DATAFOLHA: CAU (2015)

Antes mesmo da obra ser iniciada, o engenheiro civil ou arquiteto já terá trabalhado por um grande período de tempo planejando cada passo da execução, orientando-se em eficiência e resultados, algo que para quem não está envolvido nos projetos não é visível.

Logo, a presença desse profissional pode determinar o sucesso ou fracasso de uma obra.

 

2.  TENHA SEMPRE UM PROJETO EM MÃOS

Você imagina quanto custa contratar um Engenheiro ou Arquiteto para elaboração dos projetos?

O valor do desenvolvimento dos projetos, por via de regra, corresponde a menos que 5% do valor total da obra. Portanto, o projeto é o caminho mais barato para se combater o retrabalho e desperdício de materiais.

Você já imaginou o custo de ter que reconstruir todo um banheiro que não ficou como você imaginava, ou então, reconstruir o encanamento que não dispõe da pressão esperada?

Além disso, a demora na identificação dos erros, fenômeno comum na construção informal, representa as maiores perdas de dinheiro, como mostra o gráfico:

Fonte: CREA-MG (2017)

 

Ainda assim, uma pesquisa encomendada pelo Conselho de Arquitetura e Urbanismo (CAU), em 2015, mostra que grande parte da população desconhece os prejuízos da contratação de profissionais inaptos para planejar, projetar e fiscalizar.

O estudo revela que 85% das construções e reformas no Brasil não foram acompanhadas por Engenheiros Civis ou Arquitetos.

Fonte: DATAFOLHA: CAU (2015)

 

Esses dados revelam como é preocupante a cultura de economizar a qualquer custo, não levando em conta a interferência da construção civil em nossas vidas.

Sempre procure profissionais especializados e legalmente habilitados pelo Conselho Regional de Engenharia e Agronomia (CREA) ou Conselho de Arquitetura e Urbanismo (CAU).

Assim sua obra tem grandes chances de surpreender suas expectativas e evitar dores de cabeça, custos altos e atrasos no cronograma.

 

3.  CUIDADO NAS COMPRAS

Curva ABC (também denominado 80-20) é uma pequena parcela de materiais, os 20%, que representam 80% no custo da obra.

A Classe A, são os insumos mais importantes, pois 20% dos itens, representam 80% no valor da obra.

Já na Classe B, 30% dos itens, correspondem a 15% no valor da obra.

E por ultimo, a Classe C, que representa 50% dos itens que correspondem 5% do valor da obra.

Resumindo, a Curva ABC serve para analisar onde não poderá ter atrasos ou desperdícios de materiais, pois o impacto sera grande na classe A, e pequeno na classe C.

Agora que já sabe como fazer boas compras, escolha a melhor loja de materiais de construção. Isso fará uma grande diferença no seu orçamento.

É preciso ter uma programação elaborada, visto que, compras de grandes quantidades geram maiores descontos, no entanto, a maioria dos materiais não devem ser guardados por muito tempo, pois tem data de vencimento.

Desse modo, o conhecimento das propriedades e características dos materiais são determinantes para a condução de uma obra. Procure sempre a orientação de engenheiros ou arquitetos, além disso, procure relatórios técnicos no site dos fabricantes e evite buscar informações no momento da compra.

Comerciantes muitas vezes tem informações equivocadas sobre métodos construtivos e características de alguns materiais.

Alguns sistemas construtivos demandam um bom conhecimento técnico, um exemplo disso é o concreto, um dos materiais mais caros em uma construção, que deve ser calculado por profissionais, pois cada utilização exige um cálculo específico (traço) para se obter a melhor resistência, economia e não comprometer a segurança da sua edificação.

4.  NÃO TENHA MEDO DE INOVAR

A engenharia evolui significativamente, soluções inovadores chegam ao mercado todos os dias, proporcionando uma gama de escolhas aos clientes.

O custo x benefício deve sempre ser avaliado com cautela. Um exemplo: Talvez o valor global de um piso vinílico de R$ 64,00 possa representar o mesmo valor de uma cerâmica de R$ 15,80 (que necessita da compra de argamassa, pedreiro, ajudante, ferramentas, água, transporte, dentre outros).

Uma ótima forma de comparação é: mapear todos os custos. Anote todos os gastos e prazos, de preferência, em uma planilha. Assim, na próxima compra você saberá onde tem certo produto ou serviço com um preço agradável e não perderá tempo com outros orçamentos, tomando uma decisão assertiva.

A experiência dos profissionais, com trabalhos anteriores, também pode representar grande vantagem nessa hora.

 

5.  NÃO ATROPELE O CRONOGRAMA

A pressão pelo encerramento rápido da obra condena mais projetos que qualquer outro fator. Quando os trabalhadores trabalham nessas circunstâncias a excelência fica altamente comprometida e as despesas sobem consideravelmente.

Quem nunca ouviu a frase: “Preciso disso construído para ontem!”.

Os projetos devem ser executados com cronogramas reais, considerando variáveis e encaixar em uma programação razoável. Se esse não é o caso, o empreendimento pode não ser viável.

 

6.  ESCOLHA SUA EQUIPE A DEDO

Alinhe sua visão junto à equipe, assim como um técnico de futebol, contrate pessoas com a mesma visão que você, estabeleça e reforce as regras e tenha um sistema de avaliação de produtividade.

A sua liderança é essencial.

Depois disso, fique de lado e deixe o seu time jogar.

Não se esqueça, clareza, simplicidade e empatia geram produtividade. Não delegue funções que você mesmo não faria se pudesse, além do mais, cuidar da sua equipe é o melhor jeito deles retribuírem com um belo trabalho.




Agora que já aprendeu a teoria, é hora de aplicar cada uma dessas dicas em sua obra!

Aproveite para conferir mais dicas em nosso Facebook e Instagram. Cada dia tem um dica nova que vai ajudar você a ter uma obra de sucesso.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.